"Dê-me uma selvageria cujo vislumbre nenhuma civilização seja capaz de suportar"

PRIMITIVISMO -- SABERES TRADICIONAIS -- SAÚDE NATURAL -- EVOLUÇÃO HUMANA



quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Beldroega - Portulaca oleracea

 Fonte: AgroAtlas.ru

Fonte: viarural.com

"Daninha" de grande sabor e grande qualidade nutricional e medicinal. Cresce em terrenos baldios, e em solos agrícolas, onde é combatida, quando na verdade trata-se de uma planta que deveria ser muito bem recebida.

- Nomes científicos: Portulaca oleracea L.
- Nomes populares: Beldroega, caaponga, porcelana, bredo-do-porco, verdolaga, beldroega-pequena, beldroega-vermelha, beldroega-da-horta, salada-de-negro.
- Família: Portulacaceae
- Região de origem: Norte da África, provavelmente.
- Erva pequena, de ciclo anual e que cresce rente ao chão. Suculenta (folhas e ramos). Possui flores pequenas, amarelas, e frutos em cápsulas pretas ainda menores, difíceis de ver, com sementes pretas e brilhantes. Possui variações, principalmente no cultivo para ornamentação, com flores maiores e de várias cores. No norte do Brasil ocorre também a espécie P. pilosa, que possui características e propriedades semelhantes à esta.

Mais um exemplo de planta detestada pelos agricultores modernos, que preferem optar por trabalho duro ao invés de apenas viver com simplicidade. As beldroegas são comestíveis, podem ser comidas inteiras e cruas, sendo que os talos e folhas são ótimos em saladas. E ainda existem algumas receitas de refogados com esta planta (infelizmente sou péssimo na parte de culinária, fico devendo nesse quesito). É uma planta que gosto de comer in natura mesmo, aproveitando o sabor único, bem leve.

Nutritivamente, esta planta é muito rica em potássio e omega-3, hoje em dia tão comentado, importante no fortalecimento do sistema imune e circulatório. Isso além de outros nutrientes e moléculas próprias que atuam de modo bastante sinérgico com nosso organismo.

Medicinalmente, pode-se dizer, em poucas palavras: antibacteriana, antiinflamatória, vermífuga, diurética, emoliente, entre outras características. Traduzindo: combate infecções bacterianas, inflamações, vermes, e ajuda na digestão e no funcionamento dos rins. Basta incluir na dieta para já se aproveitar pelo menos em parte estes efeitos. Outra idéia simples é o uso das folhas em infusão, seja como tônico e depurativo do sangue (uso interno) ou como cicatrizante (uso externo). Mas tudo isso é ainda só uma parte do poder desta planta. Quem se interessar por mais, basta perguntar.

Referência:

Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas”, Harri Lorenzi e F. J. Abreu Matos. 2ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

Imagens:

AVISOS GERAIS: Sempre que utilizar plantas comestíveis ou medicinais, certifique-se de colher a planta correta, e que a planta esteja saudável e tenha crescido em bom solo. Ou seja: evite plantas próximas a esgotos, lixo, sujeira, etc. Evite plantas com sinais de muitos ataques por insetos ou fungos. Não recomendo o uso de produtos agroquímicos sobre qualquer planta, sejam plantações ou populações selvagens, para qualquer finalidade. Para plantas medicinais comerciais, o uso de agrotóxicos é proibido. Leia atentamente as dicas, recomendações, e receitas. No mundo biológico todo detalhe é importante. Se tiver dificuldade para identificar uma espécie, entre em contato comigo ou algum especialista que conheça (eu não sou capaz de reconhecer qualquer coisa, claro, mas posso indicar alguém que talvez possa resolver seu problema).

23 comentários:

  1. Essa beldroega realmente é bem comestível e apetitosa em saladas, resolvi semear elas em um pequeno canteiro junto com couve-chinesa e tenho comido bastante, coloquei no site abaixo minha horta de beldroegas e como faço minha salada:
    http://saudebrasil.ning.com/forum/topics/minha-salada-de-beldroegas-ora-pronobis

    ResponderExcluir
  2. Mas e bom tomar cuidado com excessos, de acordo com a literatura, esta planta tem muito oxalato e pode prejudicar os rins.

    ResponderExcluir
  3. Ah sim, com certeza! Tudo, em excesso, faz mal, já dizia o ditado. Obrigado pelo lembrete.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada por explicar o que é a Purslane que foi citada por esta "primitivista" daqui http://georgiapellegrini.com/2011/07/19/recipes/purslane-salad/

    ResponderExcluir
  5. Sim, Tamar, pela foto parece ser a mesma planta. Essas plantas ruderais (que crescem em ruas, quintais, e terrenos baldios) são bastante cosmopólitas. Purslane deve ser um dos nomes em inglês.

    Aliás, site interessante. Um pouco maluco, mas interessante.

    ResponderExcluir
  6. Pra nós aqui ela é o Bredo.
    Queria justamente umas receitas. tenho quase certeza que ela é bem usada no México. receitas ao fogo principalmente.
    há! ela tem um sabor levemente apimentado?

    Andreitreze@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    O Ludson, alguns comentários acima, passou um link para uma receita, e tem outras no livro "As Ervas Comestíveis" de Cida Zurlo e Mitzi Brandão. Eu não sou muito chegado na culinária...

    Mas o gosto não é apimentado não, pelo menos não nas regiões que eu coletei.

    ResponderExcluir
  8. sim! também fiquei na dúvida se as portulacas, pilosa e grandiflora tb são comestíveis.

    ResponderExcluir
  9. Cara, até onde sei elas não são comestíveis não. Nunca soube de ninguém que as comesse, e não me parecem muito como comestíveis. O que quer dizer que não as recomendo, rsrs.

    A P. grandiflora é aquela conhecida por aqui como "Onze horas", certo? Achei referencias aqui de que pelo menos está é certamente tóxica. Vou dar uma olhada nos meus livros também, se encontrar algo mais informo por aqui.

    Se alguém tiver mais informações sobre essas duas espécies que ele perguntou, por favor compartilhe!

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito do texto! Só uma dúvida: as beldroegas ornamentais, que tem flores maiores, mais coloridas, também são comestíveis, inclusive suas flores?

    Abraço!

    Jefferson Souza

    ResponderExcluir
  11. Jefferson, desculpe demorar a resposta. Estou um pouco sem tempo ultimamente, mas prometo dar uma pesquisada e te trazer uma resposta mais exata. A princípio, sendo esta beldroega de que fala outra espécie, não recomendo comer. Mas não conheço esta de que fala, vou dar uma olhada nos meus livros e te respondo em breve com mais informações, provavelmente no fim de semana.

    ResponderExcluir
  12. Jefferson, segundo o livro "Plantas para Jardim no Brasil", do Lorenzi, esta variedade de beldroega de que você fala também "é tida como planta comestível". Porém não fala qual parte, ou se é toda a planta. Experimente com moderação, ok? Depois nos diga como foi.

    ResponderExcluir
  13. Felipe, obrigado pela resposta!

    Sinceramente, eu ainda fiquei em dúvida e decidi não experimentar, embora ache que não deve ter problema. Uso as silvestres, que nascem à toa, e umas das flores amarela e rosa (mas as de poucas pétalas, embora um pouco vistosas. Essa outra que tem flores matizadas e cheias de pétalas tem uma folha mais espessa e com mais mucilagem.

    Uma hora eu crio coragem pra comê-la.

    Abraço!

    Jefferson Souza

    ResponderExcluir
  14. Ok Jefferson! Realmente, com muita mucilagem (que muitas vezes é um indicador de toxicidade) talvez eu também ficasse com medo de provar.
    Se criar coragem, lembre de ir aos poucos. Primeiro encoste um pedaço aos lábios, depois ponha na boca, e só depois mastigue.
    (em breve vou reativar o blog com uma postagem sobre como investigar a edibilidade de plantas desconhecidas)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Dante Horoiwa18 de janeiro de 2014 21:49
    li em uma fonte que é contra indicada pra hipertensos? já ouviu falar disso? ótimo post, obrigado!

    Ações farmacológicas: Estudos concluiram que o chá tem efeito hipertensivo em ratos (devido a presença de catecolaminas) e atividade relaxante da musculatura esquelética.(Lorenzi, 2008)

    ResponderExcluir
  17. Olá Dante,

    Não, nunca ouvi sobre ela causar problemas para hipertensos. Mas claro, hipertensos devem sempre tomar cuidado redobrado, bem como cardíacos, ou pessoas de outros grupos de risco. Muitos alimentos podem ser prejudiciais nessas situações (ex. café e açucar, que tanto tomamos).

    Mas me surpreendeu ver a relação da beldroega com hipertensão. Não esperava que ela tivesse algum efeito desse tipo. Obrigado por compartilhar!

    ResponderExcluir
  18. è marvilhosa em saladas. É muito comum no Egito, onde morei por algum tempo. Eu adorava e sinto falta.

    ResponderExcluir
  19. Pode ser cultivada de forma intensiva?

    ResponderExcluir
  20. Não sei. Acho difícil que alguém saiba. Mas pode se experimentar. :)

    ResponderExcluir
  21. eu moro em Brasilia e gostaria de emcontrar a belduega aqui onde posso encontra a semente ou a muda dessa planta

    ResponderExcluir
  22. Bom dia!

    Estou pesquisando o consumo, mas também tenho dúvidas - tenho visto a que eu acho ser a beldroega, crescendo em calçadas aqui em Cáceres-MT. Pesquisei no Google e vi um vídeo de uma senhora portuguesa, que faz 3 pratos (salada, ovolete (= omelete) e a sopa. Ela colhe na horta dela e diz que só come as folhas. Ainda estou pesquisando, nas lojas de ervas, não conhecem.

    ResponderExcluir