"Dê-me uma selvageria cujo vislumbre nenhuma civilização seja capaz de suportar"

PRIMITIVISMO -- SABERES TRADICIONAIS -- SAÚDE NATURAL -- EVOLUÇÃO HUMANA



sábado, 25 de junho de 2011

Junça/Tiririca - Cyperus esculentus e Cyperus rotundus

Cyperus esculentus - fonte Wikipedia
Perceba os tubérculos, bem apetitosos!

 
Cyperus rotundus - fonte Wikipedia
A floração avermelhada distingue esta espécie,
muito semelhante à C. esculentus, no alto,
que possui floração amarelada.

Duas plantas espontâneas, normalmente tidas como daninhas em plantações: Cyperus esculentus é comestível e de altíssimo valor nutritivo, antioxidante, e fortalecedora do sistema imune; a outra, C. rotundus, é medicinal de muitos usos tradicionais (como alivio da febre e inflamações, e no combate à infecções e vermes). Além de tudo isso, elas são indicadoras de baixa qualidade do solo (solos desestruturados e ácidos, onde não é fácil plantar).

- Nomes científicos: Cyperus esculentus L.(inflorescências amareladas) e Cyperus rotundus L. (inflorescências avermelhadas)
- Nomes populares: Junça, junca, junco, chufa, tiririca, tiriricão.
- Família: Cyperaceae
- Região de Origem: Egito e Índia (centros de domesticação), respectivamente.
- Ervas eretas, perenes, com hastes triangulares. Medem até 60 cm. Folhas estreitas, em forma de ponta. Além das diferenças na coloração das inflorescências, C. esculentus também possui tubérculos globosos ("coquinhos") nas extremidades das raízes, alguns centimetros abaixo do solo. Veja um exemplo na primeira foto, que mostra um pequeno coquinho de uma planta ainda jovem. Estes coquinhos podem ficar bem maiores.

Infelizmente, boa parte da agrônomia moderna se dedica a eliminar estas plantas, famosas e antigas inimigas das plantações. Porém quem começou a inimizade não foram elas, fomos nós. Antigas civilizações (o Egito Antigo e a Índia Ayurvédica) domesticaram estas plantas por causa de suas enormes utilidades, e elas se deram tão bem em áreas cultivadas que hoje resistem em serem expulsas destas, o que deveríamos agradecer, ao invés de simplesmente demonizá-las como "daninhas" e aumentar o uso de agroquímicos. 

A primeira, mais conhecida como junça (no Nordeste) ou chufa (na Espanha, onde ainda é cultivada), é mais famosa pela sua qualidade nutricional do que seus usos medicinais (embora também possua diversas propriedades curativas, algumas similares as de sua espécie-irmã, que falaremos adiante). Os tubérculos, escondidos no solo, são grandes e nutritivos, e diz-se que têm gosto de coquinho. São riquíssimos em açúcares, proteínas e gorduras: as análises nutricionais mostraram que a ingestão de 150 a 200 gramas destes tubérculos já é suficiente para atender as necessidades nutricionais de uma pessoa adulta em termos destes nutrientes (ficam faltando apenas vitaminas, água, e sais minerais). Além de tudo isso, ela possui substâncias oxidantes, e seu consumo fortalece o sistema imunológico. É uma planta tão espetacularmente nutritiva que têm se considerado usá-la como alimento de astronautas em órbita.

A segunda espécie, conhecida mais como tiririca (embora este nome seja aplicado às duas espécies), possui maior fama como planta medicinal (quer dizer, quando não está sendo tratada como praga). Como falei na introdução, possui muitos usos tradicionais, principalmente no alivio de febres e inflamações e no combate à infecções (apresenta propriedades anti-microbianas). Possui também propriedade vermífuga, ou seja, é um veneno para os vermes que nos incomodam. É famosa na Índia, local de sua domesticação original, pelo seu emprego na medicina ayurvédica. Têm sido muito estudada científicamente, e diversos de seus usos tradicionais têm se confirmado.

Estas duas plantas, muito parecidas em quase todos os aspectos, nascem espontâneamente e são facilmente encontradas pelos campos. Aparecem em maior quantidade nos campos deteriorados, de modo que indicam a qualidade do solo (no caso, a falta de qualidade do solo, que se tornou desestruturado e ácido, muitas vezes por conta de atividades humanas inadequadas) e ao invés de serem chamadas de "benção", são chamadas de mato, "plantas daninhas", e gasta-se muita energia para tirá-las dos campos e plantar com dificuldade qualquer outra coisa menos nutritiva ou saudável no lugar. Com certeza, temos um problema muito grande de vocabulário aqui: não são elas quem são "daninhas".

Referência:
Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas”, Harri Lorenzi e F. J. Abreu Matos. 2ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

AVISOS GERAIS: Sempre que utilizar plantas comestíveis ou medicinais, certifique-se de colher a planta correta, e que a planta esteja saudável e tenha crescido em bom solo. Ou seja: evite plantas próximas a esgotos, lixo, sujeira, etc. Evite plantas com sinais de muitos ataques por insetos ou fungos. Não recomendo o uso de produtos agroquímicos sobre qualquer planta, sejam plantações ou populações selvagens, para qualquer finalidade. Para plantas medicinais comerciais, o uso de agrotóxicos é proibido. Leia atentamente as dicas, recomendações, e receitas. No mundo biológico todo detalhe é importante. Se tiver dificuldade para identificar uma espécie, entre em contato comigo ou algum especialista que conheça (eu não sou capaz de reconhecer qualquer coisa, claro, mas posso indicar alguém que talvez possa resolver seu problema).

35 comentários:

  1. Olá Felipe, gostei do blog, tambem sou um entusiasta o mundo das plantas e de idéias libertarias, sobre essa planta vale lembrar que a raiz dela serve de enraizador natural para fazer estarquia de outras plantas, e queria saber se vc tem esse livro citado "plantas medicinais do Brasil" ou o livro "plantas daninhas do brasil do Lorenzi? quem sabe podemos trocar alguns arquivos sobre o tema, meu email é kidzero22@hotmail. com , ate mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E um enraizador ideal para alporquia
      rica em hormônio vegetal A.I.A e tiamina

      Excluir
  2. Opa, olá!
    Seja bem vindo ao blog, e obrigado pela dica das estaquias. Já te mandei um email para conversarmos mais.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. O egoísmo da agricultura industrial tenta incutir, são ervas daninha, isso é mato etc. porém, na natureza até o próprio veneno bem manipulado transforma-se em medicação. Yin extremo transforma-se em Yang e vice versa. Agradeço a orientação.

    ResponderExcluir
  4. Todas as plantas tem seu valor.A tiririca é muito benéfica sim quando cultivada intencionalmente para a utilização de seus diversos benefícios,mas não dá pra chamar de benção quando elas estão infestando campos de produção e prejudicando a produção de alimentos.

    ResponderExcluir
  5. ?

    Bom, é exatamente esta a mentalidade que tentamos melhorar.

    Claro que dá para chamar de benção. Se ela é uma planta comestível que cresce sozinha nos nossos campos, para quer ter o duplo trabalho de matar ela e cultivar outras, ao invés de aceitar o que a natureza está fornecendo?

    Ela só "prejudica a produção de alimentos" se não for vista como um alimento.

    ResponderExcluir
  6. Adorei saber das propriedades medicinais.

    ResponderExcluir
  7. Alguma dica para confecionar esta planta? pois tenho um terreno cheio dela ;-)

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelo artigo. Colhi umas plantas perto de minha casa que acredito ser tiririca, mas não sei se é Cyperus Rotunda ou Esculenta (ou ainda outra variedade). Se possível, por favor me mande um e-mail no diogodantas@hotmail.com para que eu possa enviar as fotos para uma melhor análise. Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  9. Olá, tenho muito interesse em ter esta planta, mas infelizmente não consigo comprar a muda ou mesmo o tubérculo. Você poderia me orientar onde conseguir?

    ResponderExcluir
  10. Anonimo 1, não sei o que confeccionar com ela. Nunca soube de artesanato de tiririca, mas creio ser bem possível, pela consistência de suas fibras. Deixe elas secando e veja se consegue uns fios bons, e nos diga.

    Simone, não conheço também de lugar algum onde ela seja vendida, mas em campos e terrenos é possível achá-la. Só ficar de olho aberto.

    Diego, estarei lhe respondendo via email.

    Abraços,

    Felipe

    ResponderExcluir
  11. a questão é, o ser humano tudo que não da lucro para si, ou seja, que não lhe agrada, ele diz que é danoso e não presta, e procura destruir, não sabendo ele que tudo que tem sobre a terra é para um equilíbrio pleno e saudável para nossa sobrevivência mais não adianta eu aqui colocar minha opinião, se a maioria dos humanos não compartilham da mesma consciência

    ResponderExcluir
  12. gostei, queria mais informações sobre o cultivo da junça.

    ResponderExcluir
  13. se você puder me ajudar por favor ficarei muito satisfeito..

    ResponderExcluir
  14. Anônimo, faz já muito tempo que ninguém cultiva esta planta então eu não sei e não acredito que alguém saiba qualquer detalhe técnico de como o fazer. O jeito é botar a mão na massa e aprender errando. A boa notícia é que ela é rústica e deve crescer com facilidade na maioria dos solos.

    ResponderExcluir
  15. Olá! Há alguma dica/orientação de preparo dessas plantas? Obrigada!

    ResponderExcluir
  16. A tiririca pode ser usada no suco verde.

    ResponderExcluir
  17. Os tubérculos são usados na Espanha para o preparo da orchata de chufa, uma emulsão leitosa muito nutritiva.

    ResponderExcluir
  18. Ola, a tiririca foi muito útil para enraizamento das estaquias de amora. Apareceu no quintal de casa de uma hora para outra. Nesse terreno havia muito entulho: restos de tijolos, pedras, cimentos enterrados, e meu marido deu inicio a limpeza do quintal e logo em seguida elas começaram aparecer. Então descobri que elas seriam boas enraizadoras, alem de ser bom para a saúde humana também.

    ResponderExcluir
  19. Bom dia Felipe, gostaria de saber se posso estar fazendo um plantio de tiririca para alimentar ovinos com a parte foliar(aérea)devido ao seu poder de recuperação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Me desculpe, mas não sei nada sobre alimentação de gado. :)

      Excluir
    2. Ovinos são um dos animais mais exigentes em qualidade de pasto, A tiririca possui muito silício nas folhas sendo portanto muito dura e fibrosa, (silício = areia). Não sei lhe informar, mas a princípio, não recomendo encher uma pastagem com uma planta de difícil erradicação que tenha esse problema de desgastar os dentes e ficar muito fibrosa.Além disso uma época ela seca e pendoa com pendões extremamente fibrosos, perdendo folhas que são as mais nutritivas. Não recomendo, se informe melhor.

      Excluir
  20. Ola Felipe Carvalho, não tenho tantos conhecimentos sobre plantas e tal mas, fui fazer uma pesquisa sobre a primeira acima que fui indicado para dar como chá medicinal a meu filho para gases e cólica, e realmente é um santo remédio, e lendo seu blog agora percebi que além desse benefício tem mto mais importância além de nutricional. ja plantei algumas mudas para ajudar outras pessoas.... Obrigado pelas informações Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  21. Eu tive contato com a junça voltando dos Lençois Maranhenses. Os nativos espalham os coquinhs no asfalto para secar e vendem o kilo por R$10. O gosto é parecido com o do amendoim, porém doce.

    ResponderExcluir
  22. Gostaria de saber com quanto tempo posso colher as batatinhas dajunça?

    ResponderExcluir
  23. Tenho uns pés na minha casa mas não seio o tempo certo de colher as batatinhas acho deliciosas

    ResponderExcluir
  24. Teresa, eu também não sei o tempo, e também gostaria de saber. Mas sugiro que você decida mais pelo tamanho da planta do que pelo tempo. É uma planta rústica, pode sobreviver em solos ruins, mas isso não significa que vá crescer muito bem e com rapidez em qualquer solo.

    ResponderExcluir
  25. Olá Felipe, bom dia!
    Estou a escrever-lhe do centro de Portugal. Estou a preparar canteiros para fazer uma pequena horta no sítio de uns amigos. Há por aqui uma plantinha que penso ser Cyperus esculentus com base nas raízes e folhas. Não tive oportunidade de ver a floração e só tenho encontrado plantas pequenas mas algumas com raízes que vão a 20 cm de profundidade. Ontem retirei muitas das suas raízes num terreno muito argiloso o que estranhei pois li que elas se desenvolvem sobretudo em terrenos arenosos. Relativamente a este aspeto talvez a questão seja elas desenvolverem-se em terrenos de má qualidade. O que eu gostaria de saber é:
    1. os chamados "coquinhos" são as bolinhas pretas que se encontram ao longo da raíz ou são outros frutos? Não encontrei outros tubérculos;
    2. se eu colocar estas plantas com as raízes no compostor elas vão decompor-se ou corro o risco de elas se reproduzirem? É que se isso acontecer penso que o meu amigo, dono da terra, "me mata"!
    3. Sendo uma planta com nutrientes ela ou seus componentes podem ser usados (e de que foema) para melhorar a qualidade do solo?
    Para estudar melhor esta planta coloquei uns rebentos em 2 vasos, um com o solo bem argiloso e outro com solo mais equilibrado. Quero ver o que vai acontecer e será a forma de chegada a floração poder ter a certeza de que se trata mesmo da Cyperus esculentus.
    Muito agradeço as informações que me possa prestar.
    Anabela Pires

    ResponderExcluir
  26. Saudações Anabela!
    Vamos lá...
    1 - Pelo que você está dizendo, tenho a impressão que não se trata da mesma planta. Talvez uma outra do mesmo gênero ou grupo, que não produza tão bem. Os coquinhos que eu mencionei são bolas não tão pequenas que ficam na parte central da raiz, ou melhor, "são" a parte central da raiz. Pelo menos é assim que me acostumei a ver elas aqui.
    2 - Se você triturar elas bastante, e deixar para secar depois de triturar, diminui a chance de elas crescerem de novo... mas talvez sejam precauções desnecessárias. Já soube de sementes brotando em composteiras (de diversas plantas), mas brotamentos a partir de pedaços de raiz seria mais difícil.
    3 - Transformando ela em adubo através da compostagem você estará aproveitando os nutrientes. Mas, se você estiver pensando em usar como adubo verde (plantando ela no terreno entre um cultivo e outro), tome cuidado para não criar a si mesmo um problema de ervas espontâneas dominando seu terreno mesmo no período indesejado. Há outras espécies mais recomendáveis para se usar como adubo verde, com menos risco de darem esse tipo de problema depois.
    Espero ter ajudado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Felipe, vou deitar as raizes no compostor e cobru-las logo. Nunca pensei em usá-la como adubo verde, isso seria "dar um tiro no meu pé"!
      Anabela

      Excluir
  27. Temos essa plantinha mágica...inclusive colhi alguns tubérculos hoje! Ela é fantástica e muito frágil, contrariando o que dizem!

    ResponderExcluir
  28. Li com gosto comentários e respostas e me congratu-lo que já comece a haver esclarecimento suficiente para se tirar o melhor proveito da Natureza... eu tenho investido muitas horas de PDF e outros desenvolvimentos sobre plantas, pois todos nós mais cedo ou mais tarde precisamos delas. Sejam felizes, aqueles que descobrem a Natureza e os que usufrem dela. Muito agradecido.
    Celestino Rocha

    ResponderExcluir
  29. Meu sobrenome é SUGAHARA e em japonês sei o significado que é campo de "junça". Então, procurei na internet o que é junça e descubro todas as informações aqui, mas eu não sei como é a tiririca e muito menos junça. Alguém poderia me explicar como distingui-las ? meu e-mail é: msugahara@uol.com.br
    agradeceria muito.
    Grato

    ResponderExcluir